domingo, 12 de junho de 2016

A ARTE DE VIVER

Viver é uma arte que nem todos sabem cultivar. Há muita gente que pensa que vive, mas não vive, vegeta, ou pior ainda, não tem noção alguma do que seja viver. A criatura que sabe viver traça, planeja aquilo que melhor lhe convém e caminha confiante em si mesma, sem esperar dos outros senão o razoável, porque, se exigir um pouco mais, passa por decepções. Logo, só confiante em si próprio o homem pode vencer na luta.

A própria família é muitas vezes um ponto de interrogação, talvez doloroso, mas não deixa de ser um ponto de interrogação, porque, se a família tivesse a noção exata dos seus deveres de família, nela não haveria desinteligências, desentendimentos, todos se compreenderiam, todos se tolerariam, todos seriam amigos; mas, infelizmente, assim não é e, se entre aqueles que dizem "o sangue é sangue" e "o sangue puxa", não existe a verdadeira compreensão, muito menos se pode esperar dos estranhos, de criaturas completamente diferentes em educação. Viver, pois, é uma arte que todos devem procurar cultivar com inteligência. [...]

Afinidade espiritual há muito pouca e às vezes essa afinidade existe entre criaturas estranhas e bem distantes. Portanto, deve o ser contar somente consigo, caminhar de acordo com a sua consciência, formar a sua personalidade moral, e, tendo essa personalidade, terá vigor espiritual, saberá, enfim, viver.

Há muita gente que julga que para ser feliz na Terra basta possuir fortuna, conforto e bem-estar; há muita gente até que ambiciona o que é dos outros, porque julga que esses outros são mais felizes. Enganam-se. O que faz a felicidade não é o dinheiro, não é o conforto, não é o luxo, nem o bem-estar; o que faz a felicidade é a compreensão mútua dos seres, o entendimento, a compreensão exata da vida, a maneira como a criatura encara essa vida, para não ter desilusões, para não sofrer abalos morais.

O dinheiro e a fortuna muitas vezes até concorrem para a desinquietação, para o desassossego daqueles que isso possuem. A felicidade está na consciência do dever cumprido, na serenidade espiritual que todo espírito equilibrado pode gozar. O dinheiro ganha-se e vai-se embora; o dinheiro, muitas vezes, concorre para chamar sobre si o despeito, a inveja, criaturas pouco escrupulosas, que não querem saber que aqueles que hoje possuem fortuna trabalharam, se esforçaram e muitas vezes sofreram até privações para conseguirem possuir o que hoje possuem.

A criatura que sabe viver, que trabalha honestamente e que cria em volta de si um ambiente de paz e tranqüilidade, goza saúde, é feliz, porque a felicidade consiste na paz de espírito e na saúde do corpo. Quem tem saúde e paz de espírito é feliz, porque pode produzir, porque pensa bem, porque terá sempre um ambiente de paz e tranqüilidade, e, sabendo viver, todas as criaturas podem ser felizes, viver de acordo com as suas posses, trabalhando, porque o trabalho distrai o espírito, e aquilo que se consegue pelo trabalho honesto tem um valor considerável. 

Trabalhando e lutando, sim, porque a vida é a luta destinada ao ser humano na Terra, e todos aqueles que trabalham, produzem, gozam de paz espiritual. Trabalhando, lutando, vivendo em paz, tendo sua consciência tranqüila, todos poderão ser felizes. Não há, portanto, motivo para invejar a fortuna ou o dinheiro de quem quer que seja. Todos, com muito ou pouco, podem ser felizes, porque a pobreza só atormenta aqueles que são falhos de raciocínio. Quem tem saúde e trabalha nunca será pobre, terá sempre o necessário para as suas necessidades.

Saiba, portanto, a criatura viver, porque sabendo viver, ela gozará da paz de espírito, terá tranqüilidade íntima e saúde do corpo. Isso é que constitui, enfim, a verdadeira felicidade.

------------

Autor: Luiz de Mattos



Nenhum comentário: